Pinacoteca Benedicto Calixto

Instalada em belo casarão de estilo neoclássico do início do século XX, a Pinacoteca Benedicto Calixto é importante espaço cultural da cidade, com happy hour musical, cursos e eventos variados para crianças e adultos, sobretudo aos fins de semana.

A casa, a última da orla santista que mantém as características da época dos barões do café, serviu de residência familiar, asilo de idosos, pensionato de moças e até cortiço, antes de ser declarada de utilidade pública, em 1979, e começar a ser restaurada sete anos depois.

No térreo estão biblioteca de livros de arte e exposição permanente de obras de Calixto, considerado um dos maiores expoentes da pintura brasileira do início do século XX. O andar superior funciona como galeria de mostras temporárias.

Jardins

Nos jardins, o público pode apreciar esculturas, como a peça doada pela artista plástica catarinense Bia Dória, representante da arte contemporânea sustentável cujas obras são feitas a partir de resíduos de floresta de manejo, produtos sustentáveis e árvores nativas resgatadas em queimadas, desmatamentos, fundo de rios e barragens.

Espaços

Os espaços internos têm decoração em estilo art nouveau e cada ambiente possui um uso específico. O andar inferior dispunha de sala de visitas, salão nobre, sala de jantar, escritório, biblioteca e jardim de inverno. Já os quartos ficaram no andar de cima.

Obras

A pinacoteca possui 65 obras de Benedicto Calixto, considerado um dos quatro gigantes das artes plásticas paulista do século XX, ao lado de Almeida Júnior, Pedro Alexandrino e Oscar Pereira da Silva. Do acervo, em exposição permanente, constam 15 estudos de anatomia, 14 marinhas, 12 históricas, 11 retratos, 10 obras sacras e um nu, assim como pincéis, caixa de tintas e algumas fotografias de Calixto.

Café Bistrô Calixto

Nos jardins da Pinacoteca, funciona o Café Bistrô Calixto, das 8h às 22h, com opções para o café da manhã, almoço, chá da tarde, happy hour e jantar. O acesso pode ser feito, também, pela Avenida Epitácio Pessoa, 100 e o telefone para reservas é (13) 3394-2410.

História

O casarão branco foi construído em 1900 por Carl Anton Dick, para residência da família. Dez anos depois, foi vendido para a família de Francisco da Costa Pires, que permaneceu na casa até 1913. Nesse ano, o sobrado abrigou o Asilo dos Inválidos (hoje Casa do Sol).

Em 1921, a família Pires recomprou o imóvel e o reformou, dando-lhe as características atuais - fachada e interior em estilo art nouveau, escada de mármore Carrara, corrimão de ferro maciço, mais cômodos, afrescos e um jardim de inverno.

  

Na parte externa, quadra de tênis, alojamento para os criados, sala de aula, pomar, fonte, pérgulas e uma grande alameda com pés de jambolão.

  

O palacete foi vendido em 1935 e funcionou durante dois anos como um pensionato para moças, quando a família Canero o comprou para residência. Em 1979, o imóvel foi declarado de utilidade pública, restaurado e, em 1992, passou a sediar a Fundação Pinacoteca Benedicto Calixto - na diretoria, estava Edith Pires Gonçalves Dias, que passou boa parte da vida no casarão branco da praia.